Principal » vício » O Modelo Médico em Psicologia

O Modelo Médico em Psicologia

vício : O Modelo Médico em Psicologia
As doenças mentais são causadas por diferenças físicas no cérebro "> O modelo médico de doença mental está enraizado na crença de que os transtornos mentais têm causas físicas. Com base nesse modelo, a doença mental deve ser tratada - pelo menos em parte - como um tratamento médico. condição, normalmente através do uso de medicamentos prescritos.

Medicamentos para doenças mentais alteram a química do cérebro. Na maioria dos casos, esses medicamentos adicionam ou modificam uma substância química que é responsável por problemas de humor, percepção, ansiedade ou outros problemas. Na dosagem correta, a medicação pode ter um impacto profundamente positivo no funcionamento.

A Química Cerebral dos Transtornos de Ansiedade e Fobias

Estudos têm mostrado que aqueles que sofrem de transtornos de ansiedade, incluindo fobias, têm um problema com a regulação dos níveis de serotonina em seus cérebros. A serotonina é uma substância química que atua como um neurotransmissor. Neurotransmissores modulam os sinais entre neurônios e outras células.

A serotonina atua no cérebro e, entre outras coisas, modera o humor. Um nível de serotonina muito alto ou muito baixo pode causar depressão e ansiedade. Consequentemente, as fobias são frequentemente tratadas com uma classe de antidepressivos conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs).

Normalmente, a serotonina é liberada de uma célula nervosa no espaço sináptico entre as células. É reconhecido pela segunda célula nervosa, que então transmite um sinal ao cérebro. A serotonina é então recapturada pela primeira célula nervosa.

Um ISRS impede que parte da serotonina seja reabsorvida. Permanece no espaço sináptico para estimular ainda mais a segunda célula nervosa. SSRIs não são os únicos medicamentos utilizados no tratamento de fobias, mas estão entre os mais eficazes. Eles devem ser usados ​​com cautela, no entanto, especialmente em pessoas jovens, pois pode haver sérios efeitos colaterais.

Como a genética talvez desempenha um papel nas fobias

Os pesquisadores também descobriram que a genética pode desempenhar um papel no desenvolvimento de fobias. Neuropsicologia é um ramo da psicologia que se dedica ao estudo da estrutura e função do cérebro.

Embora eles ainda não tenham isolado o gene específico responsável pelas fobias, os pesquisadores descobriram certas anomalias genéticas em pacientes que sofrem de fobias. Se há ou não uma diferença genética específica em todos os pacientes de fobia, ainda não é conhecido.

Predisposição genética

Uma teoria cada vez mais popular de transtornos mentais é baseada no conceito de eventos desencadeantes. Este modelo é comumente usado para explicar a esquizofrenia, mas também pode explicar o desenvolvimento de fobias.

Nesta teoria, uma certa porcentagem de pessoas tem o traço genético que causa a doença mental. No entanto, a maioria das pessoas com essa característica não desenvolve um distúrbio. O distúrbio ocorre apenas após um evento desencadeante.

O evento desencadeante é diferente para cada pessoa, mas geralmente é um trauma ou um momento de estresse severo. A reação psicológica e emocional ao trauma desencadeia o transtorno mental, mas apenas em pessoas que carregam a predisposição genética.

Embora essa teoria seja relativamente nova e bastante controversa, ajudaria a explicar por que eventos importantes como combate ou desastres naturais afetam pessoas diferentes de maneiras totalmente diferentes.

Recomendado
Deixe O Seu Comentário